Buscar

O que podemos esperar do futuro do Acordo de Paris?

Como o tratado que leva em conta as mudanças climáticas do planeta e a nossa ação sobre isso completou cinco anos no domingo passado (13), é mais do que importante tentar prever o que esperar para o futuro, afinal, trata-se da nossa saúde, do nosso Meio Ambiente e da nossa casa.

Como já foi falado no nosso post anterior "O que é o Acordo de Paris?", o evento foi marcado por promessas que não foram cumpridas e metas que não foram totalmente revisadas. Os maiores responsáveis pelo aquecimento global e pelas emissões de carbono - Japão e União Europeia - anunciaram novas metas, como a promessa de descarbonização até 2050. Mas apesar de otimista, é importante lembrar que a maior parte das medidas precisam de cooperação mútua de todos os países envolvidos, como disse Ana Toni, a diretora-executiva do Instituto Clima e Sociedade, em entrevista ao Nexo Jornal: "É bom haver alinhamento de China, Europa e Estados Unidos, porque esse é um tema para se trabalhar de forma cooperativa".


Os EUA

A situação dos Estados Unidos em relação a assuntos climáticos muda junto com a troca de presidente. Um dos pontos fortes da campanha eleitoral de Joe Biden foi a pauta socioambiental, em que prometeu que mais de U$2 trilhões seriam destinados ao desenvolvimento de uma economia verde, com foco em fontes de energia sustentáveis e transportes de baixo impacto ambiental. Indo em contrapartida de seu antecessor, Donald Trump - que retirou os EUA do Acordo -, Biden promete o seu retorno. E juntamente com o Japão e a União Europeia, o futuro presidente também tem como meta a descarbonização até 2050. Somado a isso, tudo indica que também haverá uma possível negociação com a China acerca da pauta climática.


E como fica o Brasil?

A situação brasileira quanto ao Acordo de Paris não é bem vista internacionalmente. As suas metas continuam as mesmas, mas com um porém: agora teremos mais emissões de gases em nível absoluto do que anteriormente, a medida foi tomada pelo Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Além de ser péssimo para o planeta, também prejudica a economia brasileira, afastando investimentos externos.


Para saber mais:

Nexo Jornal: 5 anos do Acordo de Paris: o que esperar daqui pra frente

ClimaInfo: Com saída dos EUA do Acordo de Paris, Europa e China se movimentam no tabuleiro climático e Com a China assumindo protagonismo internacional, Biden reforça promessa de retorno dos EUA ao Acordo de Paris

Observatório do Clima: Emissões do setor de alimentos podem inviabilizar meta do Acordo de Paris

Valor: China abre caminho para negociação climática com EUA sob Joe Biden

10 visualizações0 comentário